A verdade sobre as diferenças salariais entre homens e mulheres

Por: Henri Barochel

A 3ª Edição do Estudo X|R de Remuneração Executiva traz resultados interessantes na comparação da remuneração entre gêneros.

A boa notícia é que considerando o universo formado pelas empresas de grande porte, bem estruturadas na gestão de recursos humanos, que compõem a amostra de dados do Estudo, as diferenças salariais praticamente não existem.

A má notícia é que a prevalência de mulheres nos cargos de liderança ainda é baixa. O gráfico abaixo mostra a distribuição da amostra com uma configuração clássica de “boca de jacaré” refletindo esta desigualdade nas oportunidades de carreira. Ou seja, quanto maior o cargo, menor o número de mulheres.

 

Efeito Boca de Jacaré

 

O próximo gráfico mostra que a desigualdade nas oportunidades também está associada à predominância nas empresas de áreas mais “masculinas” que acentuam esta desproporção.

Selecionamos alguns cargos e calculamos a proporção de homens e mulheres.

 

No alt text provided for this image

 

As áreas predominantemente femininas são RH e Compliance, seguidas pela área Jurídica com 40% de mulheres.

As áreas tipicamente masculinas são Finanças, Contabilidade, Auditoria, Planejamento Estratégico, Produção, Suprimentos e TI.

Na que se refere aos salários, o gráfico à seguir sinaliza um cenário em que as diferenças são muito pequenas, ou seja, na média as mulheres ganham 2,1% menos que os homens.

 

No alt text provided for this image

 

Conclusão: podemos afirmar que entre as empresas bem estruturadas e com boas práticas de RH, as diferenças na remuneração de homens e mulheres são desprezíveis e tenderão a desaparecer na medida em que a frequência de mulheres em cargos de liderança alcance patamares superiores aos atuais.