Remuneração Executiva em 2020 e tendências para 2021

Este artigo retrata o panorama da Remuneração Executiva neste difícil ano de 2020 e o que podemos esperar para 2021.

Salário Base:

O 4º Estudo X|R de Remuneração Executiva publicado em setembro último, contou com a participação de 85 empresas e apontou um crescimento nominal de 0,3% dos salários em relação a 2019. Este pequeno aumento, no entanto, foi insuficiente para repor o IPCA de 4,3% em 2019.

 

No alt text provided for this image

 

A queda dos salários refletiu as incertezas na economia já visíveis antes da pandemia reforçada pelo baixo crescimento do PIB em 2019.

A pandemia trouxe cortes temporários na remuneração principalmente de executivos. Uma pesquisa pulse, realizada pela X|R nos meses iniciais da pandemia, mostrou que cerca de 70% das empresas da amostra, com atuação em diversos setores, promoveram reduções temporárias nos salários, sendo que o valor mais frequente nas reduções foi de 25%.

Incentivos de Curto Prazo:

Os incentivos de curto prazo pagos em 2020 apresentaram um crescimento nominal de 3,7% em relação aos bônus pagos ano anterior. Apesar deste pequeno crescimento, 8,5% das empresas participantes do Estudo X|R de Remuneração não pagaram bônus, por conta de resultados ruins em 2019. De uma maneira geral os bônus pagos representaram 80% do bônus alvo, refletindo assim um desempenho das empresas abaixo do centro da meta.

Uma tendência observada na modelagem dos planos de incentivos de curto prazo foi a introdução de indicadores ESG. ESG é a sigla que identifica empresas com compromissos em desenvolver negócios sustentáveis respeitando práticas ambientais, sociais e de governança corporativa. Esta tendência vem se propagando nos EUA e no Canadá e já vem sendo percebida também no Brasil.

•      EUA : 177 das 510 empresas (35%) que compõem o índice S&P 500.

•      Canadá: 119 das 196 empresas (61%) que compõem o índice TRX 200.

•      Brasil: consultamos os formulários de referência das 15 maiores empresas da [B]3 em Capitalização de Mercado. Em 5 delas (33%) foi reportado a utilização de indicadores ESG, com impacto direto nos planos de ICP.

Incentivos de Longo Prazo:

Os incentivos de longo já são prevalentes na maioria das empresas. O Estudo X|R apontou que 58% das empresas concedem planos de ILP sendo que a elegibilidade, anteriormente mais restrita aos altos executivos, tem alcançado também os Gerentes em 45% das empresas. Não é incomum a elegibilidade alcançar coordenadores e profissionais notadamente em empresas de tecnologia.

No alt text provided for this image

Outro sinal da crescente prevalência na concessão de ILP pode ser percebido nas empresas estreantes na Bolsa em 2020. Em 2020 foram contabilizadas 28 ofertas publicas iniciais (IPOs). Das 28 empresas, 22 informaram possuir um ou mais planos de ILP como parte integrante da sua estratégia de remuneração executiva. Os planos de Stock Options (SOP) foram os preferidos. É importante notar que 29% das empresas estreantes ainda não promoveram outorgas de ILP.

 

No alt text provided for this image

 

O que podemos esperar em 2021.

Salários: deverão se manter estáveis com crescimento entre 0 e 2%, abaixo da inflação. Os seguintes eventos internos e externos poderão impactar o comportamento dos salários.

 

No alt text provided for this image

 

Incentivos de Curto Prazo: os bônus pagos deverão ser menores que os pagos 2020.

Incentivos de Longo Prazo: deverão manter uma prevalência crescente, sendo utilizados como um mecanismo para dar impulso as teses de investimento e geração de valor preconizadas pelas empresas.

Esperamos que tenham gostado deste artigo. Agradecemos aos clientes e amigos pela parceria em 2020 e desejamos um ótimo 2021 com muita saúde e muitos bônus para todos!